Agora você pode ligar pra casa

PUBLICADO EM: POR: Michaela

Em 2015 fui abençoada com a oportunidade de trabalhar para a luz! Conheci um grupo logo no começo do ano que faz meditações em prol de Gaia, para enviar energias para ela, ajudar na ascensão planetária e vários outros trabalhos em parceria com as hierarquias de luz e o Comando Ashtar. Desde que despertei eu realmente queria fazer algo para ajudar e me sentir útil. Eu devo dizer que rezei pedindo por esta oportunidade. E graças a Deus ela me foi dada. Então, concomitantemente com as limpezas e tratamentos que eu fazia em mim mesma, eu também ajudava na ascensão planetária com os trabalhos neste grupo.

Os nossos trabalhos para a luz foram crescendo, progredindo, e a medida que íamos enfrentando os obstáculos e os superávamos, nós crescíamos junto com o trabalho. Ao mesmo tempo, também íamos recebendo as ativações e as energias dos portais energéticos desde ano.

o meu reencontro com meu Eu Superior foi um pouco antes do meio do ano, e logo depois que a recebi no meu corpo, parece que isto também abriu a porta para que eu bilocasse para outros Eus Multidimensionais e os recebesse também. Sempre acontecia enquanto eu estava acordada, ao longo do meu dia: minha visão de repente ficava turva e me parecia que um segundo par de olhos dentro da minha cabeça se iluminava e eu conseguia ver o que estava passando na minha tela mental. Era uma sensação irresistível. Muitas vezes eu tentava lutar contra o processo, por estar ocupada naquela hora, mas mesmo tentando me desvencilhar, era só relaxar um pouco mais que a visão voltava do ponto onde havia parado e eu me via no meio daquela cena de antes.

A minha comunicação com os guias também foi aos poucos melhorando, a medida que o tempo ia passando e que eu ia praticando conversar com eles ao longo do meu dia, ou praticava conversar com meu Eu Superior quando ela vinha. Eu ainda não tinha nenhuma informação sobre ela, de onde ela era (de que planeta), qual seu nome ou sua aparência. Eu a chamava simplesmente de "meu Eu Superior".

Também passou a acontecer que de vez em quando eu estava distraída em algum lugar sem pensar em nada, e de repente em uma piscada de olhos eu me via em um outro lugar. Eu piscava de novo e a cena voltava a ficar normal. Quando isto acontecia, eu geralmente me via em naves: me via mais frequentemente ou em uma nave toda branca e muito clara ou em uma outra nave escura ou olhando para fora para o espaço, ou no meio de um corredor de uma nave.
Repetidamente eu passei a me esquecer de fatos da minha infância ou adolescência e de informações que eu deveria me lembrar, a minha memória passou a ficar muito ruim.

Tive bilocações incríveis no mês que se seguiu ao meu encontro com ela, todas muito fortes e muito vívidas!

Em uma delas, eu me vi como um golfinho. Eu estava dentro de um tanque de água em forma de cilindro no meio de uma sala de tratamento e estava dormindo. Haviam seres do lado de fora do tanque, e eles, diferente de mim, tinham forma humanóide. Eles estavam cuidando de mim. Em um dado momento, eles me ajudaram a sair do tanque e me deitaram em uma cama. Eu não tive certeza do que estava acontecendo, mas naquela hora passou pela minha cabeça que eu podia estar vendo o meu nascimento.

Em outra bilocação eu despertei em uma cama. Olhei ao meu redor e eu estava em um quarto muito grande, com teto bem alto. O quarto não tinha quase nenhum móvel mas eu vi que era todo branco e brilhante, parecia feito de vidro. Me sentei na cama e olhei por uma janela que havia à minha esquerda e vi uma cidade toda de cristal, com torres altas. Tudo era branco, semi-transparente, cheio de luz. Era uma visão incrível! Gostaria de saber desenhar. A minha cama era bem simples, feita do mesmo material. Olhei para baixo para o meu corpo e vi um peitoral masculino com roupa prateada. Eu parecia um dos seres da frota prateada (pelos desenhos que vejo), apesar de não saber ao certo aonde eu estava ou quem eu era ali.

Em outra bilocação eu me vi num corredor em uma nave. Esta bilocação foi incrível pois eu estava sozinha no corredor, mas eu conseguia sentir outros seres dentro da nave. Eles sabiam que eu estava ali, bilocada no corpo do meu Eu Multidimensional e eu sabia que eles sabiam. Eles me enviavam carinho. Caminhei até a parede do corredor, era um corredor circular. Toquei na parede, o tato da parede era de uma mucosa. Ao tocar na parede da nave, eu me tornei consciente de duas coisas: a primeira foi que a nave estava viva! E ela sentia muito carinho por mim. Ela se sentia como a minha mãe. Senti como se eu estivesse no útero dela, apesar de saber que não era um útero, mas ela me protegia e cuidava como se fosse. Passei um tempo sentindo a nave e me comunicando com ela, com nossos sentimentos, era muito relaxante. A segunda coisa que me dei conta foi do meu corpo: olhei as minhas mãos, os meus pés e o meu corpo e vi que eu estava sem roupas e meu corpo era azul, coberto de penas. Meus pés descalços não tinham 5 dedos, tinha menos e minhas mãos tinham dedos longos. Eu parecia um dos Blue Avians que tinha visto em fotos em mensagens canalizadas.

Mas teve uma bilocação que me emocionou mais que as outras: um dia, eu estava trabalhando e senti os guias ao meu redor (eles sempre estavam ao meu redor, me ajudando, quando ia ter uma destas bilocações). Senti eles pararem atrás de mim e senti que me irradiavam com energia branca e dourada, nas costas e na cabeça. Eles foram conversando comigo ao longo do processo, me orientando. Primeiro me disseram para parar de digitar e relaxar. Eu fechei os olhos e fiz. E fui deixando o processo acontecer.

Me vi deitada em um leito. Eu estava em uma espécie de hangar médico. Ao meu redor haviam pessoas que cuidavam de mim. Eles executavam algum procedimento em mim com aparelhos de mão que eu não sabia o que eram. Lá eu estava muito concentrada e de olhos fechados. Parecia que eu estava ajudando no processo. O procedimento durou um tempo considerável. Quando eu achei que havia terminado, abri os olhos aqui na 3D e continuei trabalhando. Então meus guias me disseram que eu deveria me concentrar mais uma vez, que eu precisava ajudar o processo também.

Me concentrei e me vi agora sentada em uma cadeira. Eu era uma mulher (meu aspecto era humanóide). Eu me achei muito bonita! Eu estava usando um vestido prateado e continuava de olhos fechados e muito concentrada. Aí está um fato curioso e diferente das minhas outras bilocações: eu geralmente em bilocações não me vejo de fora, eu me vejo de dentro do corpo ao qual estou bilocando. Mas nesta, eu me via de dentro e me via de fora. Me "via" não é bem a palavra, pois quando eu estava dentro de mim mesma eu só podia sentir o que estavam fazendo no meu corpo, pois estava de olhos fechados. E também me via de fora como se eu estivesse em pé ao meu lado!

Vi que os médicos colocaram uma tiara ao redor da minha cabeça. Esta tiara era entrelaçada com fios prateados bem finos e no meio da tiara, bem na minha testa, havia um cristal em formato oval branco e o cristal era grande! Quando eles colocaram esta tiara com o cristal eu não só consegui sentir o peso dela no meu corpo de lá como também consegui sentir a tiara e o cristal no meu corpo daqui da 3D!!

Percebi que esta tiara estava sendo instalada simultaneamente nos meus 2 Eus e os meus guias do lado de cá estavam ajudando no processo, trabalhando junto com a equipe médica de lá. Sentia o peso da tiara e do cristal e quando o cristal foi ativado senti uma pressão e uma claridade branca, ambas bem fortes, no centro da minha testa. Esta sensação durou um tempo.

Quando terminou, eu achei novamente que já havia terminado e voltei para o meu corpo na 3D, para sentir a minha testa. Eu colocava a mão e não tinha nada, mas a sensação física era que tinha algo ao redor da minha cabeça! Os guias mais uma vez me pediram para fechar os olhos e relaxar e eu fiz mais uma vez. Desta vez, me vi dentro de mim mesma, e eu estava de olhos abertos, ainda sentada na cadeira. A equipe médica estava ao meu redor em pé, mas havia algo mais: um homem estava ajoelhado na minha frente e segurava a minha mão direita. Ele me olhava com um carinho enorme, e senti que ele deveria ser o meu marido ou alguma coisa assim lá naquela dimensão, mas eu não conseguia me lembrar de quem ele era ou do nome dele. Eu me senti um pouco envergonhada por não me lembrar de quem ele era, porque ele realmente me amava muito e passava esta emoção para mim. Ele me disse só 1 frase, em linguagem da luz, uma frase que eu senti no meu corpo e na minha mente, mas não tinha palavra nenhuma (nós éramos telepáticos). Traduzindo o que ele me disse, ficaria mais ou menos assim: "Agora você pode ligar pra casa".