Dissolvendo Yaldabaoth - o polvo energético

PUBLICADO EM: POR: Michaela

(Leia sobre a entidade Yaldabaoth aqui).

Saí de casa de manhã para ir ao trabalho do grupo de meditação, como geralmente faço quando temos trabalho marcado (leia mais sobre o nosso trabalho de meditação aqui).

No caminho, estava no ônibus, há uns 10 minutos de chegar no parque, quando vi um dos membros do nosso grupo bem nitidamente na minha tela mental. Era a Kirlian. Ela havia ficado em casa neste dia e não iria para a meditação. A Kirlian falou comigo, e me disse: "Posso me unir a você para fazermos o trabalho juntas?" Eu respondi que sim, que nós podíamos nos unir. Aos poucos eu fui relaxando o meu corpo e unindo o meu campo de energia ao dela. Quando me senti unida a ela, comecei a ouvir uma música, era Ave Maria, e parecia que estava sendo cantada por um coro de mulheres. Eu comecei a cantar junto e comecei a sentir que me unia àquelas mulheres também, e nós todas estávamos unidas a Mãe Maria e a Maria Madalena. Eu entendi que estava me unindo em consciência ao Sagrado Feminino e à outras trabalhadoras da luz, que estariam realizando uma missão em conjunto conosco naquele dia.

Cheguei ao parque e me encontrei com o grupo. Iniciamos nosso trabalho e durante a abertura, além dos nossos mentores que formavam um círculo ao redor do nosso, vi uma Ser galáctica feminina que vestia um macacão colado com o símbolo da Federação em pé na minha frente.

Ao mesmo tempo eu percebia outras realidades paralelas sobrepostas (leia sobre conceitos de realidades paralelas aqui e sobre o meu processo multidimensional e como eu percebo realidades paralelas aqui). Estas realidades ficavam vibrando, entrando e saindo da minha tela mental, e em uma das realidades, bem na minha frente também, no mesmo lugar em que estava a Ser da Federação, havia um Ser trevoso.

Eu fiquei elevando e abaixando a minha frequência e ia vendo uma e outra realidade, até que foquei na Ser da Federação e a vi apontar para o lago, e em cima do lago, flutuando a uma distância de uns 2 ou 3 metros somente, eu vi aparecer uma nave que era um pouco maior que o lago e na frente do lago haviam vários seres com a mesma aparência dela, todos ali em pé nos observando.

Eles vestiam uma roupa colada com a insígnia da Federação e me disseram: nós já estamos aqui. Estamos aqui por vocês. Tudo que vocês têm que fazer é elevar a sua frequência para se igualar à nossa. Parecia como o início de um treinamento. 

Não sei precisar a que raça pertenciam. Não se parecem com nenhuma que eu tenha visto em desenhos ou em canalizações em sites. Só o que posso descrever é que eram altos mas não muito mais que nós, eram muito magros, não tinham cabelo ou pelos pelo corpo, sua cabeça era alongada para trás, e os olhos eram bem grandes e amendoados, repuxados para os lados e para cima. A Ser feminina que estava bem na minha frente tinha realmente uma aparência mais feminina para mim, seus traços do rosto e sua boca eram mais delicados. Possuíam alguns traços como ruguinhas pelo rosto e as do rosto dela formavam traços que eu sentia que eram femininos, mesmo sem nunca ter visto aquela aparência. A energia deles era extremamente amorosa e estavam extremamente felizes e honrados em estarem ali, nos observando. Era uma felicidade e uma excitação de reencontro de amigos muito queridos! A impressão que eu tinha era que, se eles pudesse, iriam correr para nos abraçar. Uma energia de amor doce e um campo de energia que me passava suavidade, simplicidade e felicidade, como ondas de vibração rosa. Eles tinham a pele ao que me pareceu um esverdeado escuro, talvez azul petróleo claro. As roupas que trajavam eram da Federação, mas tinham cor (vi rosa, amarelo, verde), diferente dos macacões todos azuis dos pleiadianos.

Assim que terminamos as nossas orações de abertura, comuniquei ao grupo a minha visão e a mensagem dos Seres. As instruções deles eram bem simples. Precisávamos:

1- nos desprender de todo sentimento de medo;
2- nos preencher com sentimento de entrega e confiança completos;
3- elevar a nossa frequência à deles para percebê-los.

Disse ao grupo a minha percepção de que estamos imersos em várias realidades simultaneamente, e todas estas realidades "ocupam o mesmo espaço", somos nós que viajamos de uma para outra ao elevar ou baixar a nossa frequência, e que este elevar e baixar de frequência é feito através de foco e escolha.

Começamos a meditação, através da guiança dos mentores. Eles nos pediram para sentir a frequência da3a dimensão, ficar um tempo, depois nos pediram para que nos deixássemos ser guiados até a 4a dimensão, perceber esta frequência também, e assim foram nos guiando de frequência em frequência até a 12a dimensão. Estavam em roda atrás de nós e energizavam nossos corpos para nos ajudar a passar por cada frequência. Eu consegui sentir e entender bem distintamente a diferença entre cada uma:

Na 3a dimensão eu sentia um pouco de apreensão pelo Ser trevoso que estava parado na minha frente. Quando via aquela Ser amorosa da Federação eu relaxava, mas então um pensamento de dúvida e desconfiança surgia na minha mente, eu me perguntava se não poderia ser uma trevosa disfarçada, se eu estaria mesmo segura. Eu estava confusa, com meu campo de energia sendo preenchido simultaneamente pelo Trevoso e pela Ser da Federação.

Na 4a dimensão eu sentia apreensão por estar vendo o Trevoso mas conseguia sentir melhor o campo de energia da Ser da Federação e não tinha mais dúvidas de quem era luz e quem não era.

Na quinta dimensão eu percebia ambos, mas não conseguia sentir medo do Trevoso, eu entendia que ele era de uma polaridade diferente da minha mas não sentia nada por ele. Eu estava completamente preenchida com luz, amor e aceitação.

A 6a dimensão em diante eu senti a minha Mente preenchida com uma simplicidade de fatos incrível, não havia mais nada o que temer, o que classificar, o que diferenciar. Eu inclusive me senti UMA com ambos: a Ser da Federação e com o Trevoso também! E eu não conseguia mais entender o porquê de qualquer dúvida ou sentimento de medo dele ou das outras pessoas.

Quando cheguei na 12a dimensão, olhei pra baixo e vi Gaia pequena há uma distância e consegui ver e sentir muitos seres em sofrimento lá embaixo. Então eu falei para eles: “Ei, vocês podem subir aqui também. Eu estava aí com vocês e acabei de subir”. Quando eu fiz isso, eu vi muitos raios dourados subindo como cometas para cima.

Depois de um tempo os mentores começaram a nos conduzir para baixo de novo, dimensão por dimensão. Mas quando eu cheguei na 3a dimensão eu não estava no parque. Eu me vi em um lugar escuro e havia uma legião de magos negros a minha frente e ao meu redor, eles vestiam capas pretas com um capuz pontudo e estavam furiosos. Eles me ameaçavam e começaram a se aproximar de mim. Mas eu ainda estava com o aprendizado que trouxe da 12a dimensão, de que não havia nenhum motivo para temê-los, que nós estávamos apenas vibrando em polaridades diferentes, então levantei a mão direita (eles acharam que eu os ia atacar), mas ao invés disto eu coloquei a mão no meu coração e comecei a sentir muito amor, muita paz, com as minhas próprias energias saindo do chackra da palma da minha mão e inundando o meu cardíaco. Eu não havia ficado com medo e quando constatei a minha falta de medo perante aquela situação até eu me surpreendi comigo mesma. Eles me perguntaram se eu não iria atacá-los, mas eu não entendi naquela hora porque eu deveria. Quando tive aquele último pensamento, comecei a ver uma segunda realidade sobreposta àquela dos magos: era um lugar muito bonito, feito de pura luz, e eu via muitos anjos e arcanjos vestidos de verde. Eles sentiam um carinho enorme por mim! Aos poucos, fui escolhendo focar neles, sentir eles, e não os magos, até que os magos sumiram da minha frente e tudo que eu conseguia ver eram os anjos.

Daí em diante eu fiquei com os anjos e arcanjos do raio verde durante todo o tempo. Eu cheguei a ouvir os magos falando comigo algumas vezes, e quando eu os ouvia eu conseguia vê-los, mas daí quando eu os via e não sentia medo a cena instantaneamente mudava para os anjos, eu nem precisava fazer nada para isso, nenhum esforço, nem pensar em nada.

Voei com os anjos por muitos lugares, e em todos os lugares eu via pirâmides enormes. Os lugares eram muito bonitos! Vi desertos, horizontes com pôr do sol alaranjados, vi uma pirâmide em uma montanha e vi pirâmides feitas de pura luz branca também. As imagens passaram muito rápido, rápido demais para o meu cérebro 3D guardar, só consegui guardar alguns poucos flashes destes lugares. Não faço idéia do que fizemos nestes lugares ou se eu cheguei a fazer alguma coisa ou se os anjos só me mostraram estes lugares.

Quando retornei ao Parque, os mentores estavam conduzindo o grupo para que déssemos as mãos e uníssemos as nossas merkabas, os nossos campos de energia, em 1 só. Nos unimos e subimos até a Grade Cristalina de Gaia, a missão seria iluminar as linhas Leys. Me vi flutuando em um céu azul e rosa com nuvens, mas via à minha frente tubos gigantescos de cor marrom escuro. Eu era muito pequena perto daqueles tubos. Em alguns lugares, os tubos pareciam para mim como paredes marrons.

Fui intuída e soltar pequenos flocos de luz branca na direção daquela estrutura marrom que eu tive a impressão ser um organismo vivo, denso. À medida que fomos soltando estes minúsculos flocos de luz branca, aquela estrutura orgânica foi se iluminando. Porém, algo aconteceu e em um dado momento eu vi a estrutura toda ficar branca muito rápido. Isto se seguiu de uma grande explosão e eu vi na minha frente um buraco enorme no organismo, e dentro do buraco via paredes de sangue de cor marrom e vermelho escuro, parecendo cauterizados. Perguntei o que seria aquilo, mas não obtive resposta.

Depois desta explosão, fui trazida de volta ao meu corpo e não pude ver mais nada da estrutura.

Porém, vi que os seres da Federação continuavam ali conosco, no lago dos patos. Eu estava sentada no chão, e um deles (não era mais a Ser feminina que havia feito contato comigo no começo, era um outro Ser, masculino) chegou bem perto e estendeu a mão para mim. Eu peguei a mão dele e me desdobrei e fiquei em pé no meu corpo astral junto com ele. Quando fiz isto, a cena do Parque Lage mudou e a cena ali me pareceu mais como um outro planeta: eu me vi em um espaço com tons de rosa e laranja. A nave continuava ali, os seres continuavam ali, e eu senti que me convidavam para entrar na nave. Eu não consegui, estava muito cansada e sentia que ainda não tinha a frequência certa para perceber o interior da nave (esta sensação veio como um conhecimento inato para mim naquele momento: o interior da nave é de uma frequência mais alta que a que os Seres estavam vibrando ali comigo. Para perceber o interior da nave, seria preciso elevar ainda mais (senti que bem mais) a minha frequência, coisa que eu não conseguiria naquele dia.