Meditação de Equinócio de 22/09 em Cusco

PUBLICADO EM: POR: Michaela

Depois da ativação da pirâmide no Atacama, eu tive muita dificuldade em me aterrar. Me via ao mesmo tempo em San Pedro de Atacama e no interior de uma nave da Federação, em uma reunião. Havíamos comemorado o sucesso da missão e já nos encontravámos planejando os próximos passos. Eu senti sono o dia inteiro.

No dia seguinte, ao acordar, tive uma visão de um templo em uma cidade nos arredores de Cusco. Junto com esta visão, recebi o download de um pacote de informações na linguagem de luz com os detalhes dos próximos passos da missão, e fui comprar as passagens para seguir viagem. Eu tinha 2 dias em San Pedro e depois deveria seguir para Cusco-Peru. A malha de trabalhadores da luz iria se rearrumar em novos locais para a próxima ativação, que aconteceria no dia 22 de setembro, durante o Equinócio.

O momento da segunda ativação, no local e hora definidos:

Vejo dragões verdes voando no céu. Estou dentro do templo dourado no interior de Gaia novamente, e meus irmãos e irmãs estão lá comigo. Novamente estamos caminhando pelo templo. Ele possui altas colunas brancas e fora dele eu vejo muita vegetação e flores coloridas. Não há paredes no templo, somente as colunas e os pedestais brancos e dourados onde estão os crânios de cristal.

Estamos nos preparando para alguma coisa. Vejo estrelas, o espaço. Uma constelação específica. Estamos mantendo a nossa atenção nesta constelação, aguardando. Vejo uma luz branca e azul clara intensa agora naquela região do espaço. A luz viaja até Gaia e chega até o templo. Ela ativa os crânios de cristal e dos crânios saem feixes de luz que os conectam uns aos outros, formando uma malha energética. 

Nossa atenção se volta novamente para o espaço. Vejo uma luz vermelha agora.

Me concentro e vejo uma luz branca entrar pelo topo da minha cabeça, onde o meu corpo está. Esta luz chega até o meu cardíaco e pede para ser liberada em forma de pulsação, para todos os lados. Eu libero a luz, mas ao sair vejo que ela se transforma em um pulso de luz verde. Eu vejo que o raio que ela atinge é enorme, até além dos limites de Cusco.

Me vejo sentada no deserto do Atacama, sentada no que parece ser a pedra do Coyote, no meio do Valle de La Luna. A minha luz verde do cardíaco chega até lá. Entendo que a minha função é triangular os raios de luz verde do meu cardíaco, verde, branco e dourado, até o próximo trabalhador da luz no ponto geográfico mais próximo. Estamos formando uma malha energética com os nossos corpos, recebendo esta luz que vem do espaço e as redistribuindo juntamente com códigos de luz que já se encontram presentes nos nossos corpos e com a nossa própria luz. Vejo que cada trabalhador da luz que recebe o pulso de luz em seu cardíaco adiciona os seus próprios códigos de luz e o pulso ao sair do cardíaco dele muda de cor, alguns emitem pulsos azuis, outros cor de rosa, outros dourados.

A luz se intensifica e num instante toda a superfície de Gaia está preenchida com as nossas luzes misturadas, deixando-a toda branca, cristalina. De cima, do espaço, vejo alguns pontos de luz dourados ao redor da superfície de Gaia. Somos nós?

Minutos antes de iniciar o trabalho, eu recebi na minha tela mental uma geometria, parecia um símbolo arcturiano. Tentei desenhar em uma folha e coloquei as pedras da lua, as mesmas que usei na ativação do Atacama, em cima do desenho. A imagem é a da foto do post. Neste momento da meditação, senti que devia colocar ambas as mãos em cima do desenho. Ao fazer isto, senti o símbolo se transformar em energia e vibração e ser gravado no solo de Gaia e em seu DNA, e também senti a geometria entrando e sendo absorvida pelas células do meu corpo. O meu corpo passa a irradiar luz dourada para todos os lados.

Vejo ao fim luz alaranjada e algumas pequenas naves. Estamos comemorando! Vejo pessoas batendo palmas. Conseguimos realizar a ativação com sucesso. Vejo pessoas formadas de pura luz dourada muito felizes. Seriam mestres? Anjos no céu também comemoram.