Meditação da chama da vela

PUBLICADO EM: POR: Michaela

Para proteção e conexão com nosso Eu Superior.

Quando observamos a chama da vela, vemos que ela é azul embaixo, e depois vai lentamente passando para um tom de amarelo-dourado. O azul da base engloba todo o corpo da vela, desde embaixo, e sobe, protegendo a cabeça da vela, até onde ela é pura luz dourada.

O objetivo deste exercício é nos imaginarmos com esta configuração de luz, para criarmos uma barreira protetora de luz azul ao redor de todo o nosso corpo, para protegermos a nossa luz de tudo o que não for luz, para iluminarmos nosso caminho até em cima, nos chackras superiores, conectando-nos com a nossa Fonte de luz maior.

Sente-se confortavelmente e relaxe todo o seu corpo. Imagine-se exatamente como o pavio desta vela da foto. Pode fixar o olhar na foto para ajudar na visualização. Você está em cima de uma base de cera violeta, com a sua raiz profundamente conectada a esta base. Esta base violeta é a Mãe Terra, que tudo transmuta e tudo absorve. Passe um tempo sentindo esta base violeta embaixo de você, dando suporte ao seu corpo. Você não precisa estar sentado no solo para isto. Mesmo se estiver sentado em uma cadeira ou na cama, tome consciência de que a Mãe Terra está abaixo de você, embaixo de tudo, dando apoio a tudo.

Relaxe mais um pouco cada músculo do seu corpo e tome consciência de todo o seu corpo: cabeça, ombros, costas, braços, tronco, abdômen pernas e pés. Sinta como a base violeta parece puxar para ela cada energia pesada, densa, sentimento ruim ou carregado que está dentro de você, dos seus chackras, dos seus órgãos físicos, do campo energético ao redor do seu corpo. Comece focando de cima para baixo, se preferir, deixando que tudo escorra pela sua coluna a partir da cabeça até os pés, ou então de todas as partes do seu corpo de uma vez. Pode vir bocejos, arrepios, sensação de energia escorrendo pelo tronco, braços e pernas e saindo pelos chackras das mãos e pés e sentimentos como tristeza, mágoa, raiva. Não segure nada, procure deixar tudo sair.

Agora, sinta como bem no meio do seu corpo você possui um filete de luz brilhante, que é você. Este filete de luz se estende para cima, do topo da sua cabeça, como uma antena, e sobe até um ponto em que você não consegue ver.

Deste canal de luz, você começa a ser abastecido de uma luz muito leve, suave. Ela é tão leve que parece ar e desce preenchendo toda a sua coluna, de cima para baixo. Não se preocupe se a luz que você imaginar descendo não for dourada. Não brigue com a cor, aceite a luz que vier, ela é a sua luz.

Lentamente, permita que ela vá se expandindo para os limites do seu corpo, e depois para fora do seu corpo, empurrando quaisquer energias ou sentimentos densos residuais que ainda poderiam estar dentro de você.

Neste momento, estando completamente preenchido de pura luz, imagina que ao seu redor se forma uma cúpula de proteção azul. Da mesma forma que a foto, a redoma de luz azul é mais espessa ao redor dos pés, pernas e chackra básico, se tornando menos espessa à medida que vai subindo ao redor do seu corpo. Ao redor da sua cabeça ela forma uma película de proteção azul da finura de 1 dedo, e ao chegar no seu chackra Estrela da Alma, ela se dissolve e se mescla na luz da sua chama Fonte.

A função desta cúpula de proteção é encaminhar para baixo, para a base violeta, para ser transmutada, qualquer energia mal qualificada ou entidade mal intensionada que a tocar. É importante programar o campo energético com uma função específica, caso contrário ele será só luz e a luz não tem intenção, então precisamos definir uma intenção para ela. Diga em voz alta o comando, instruindo a luz azul para puxar para baixo toda e qualquer forma de energia que não ressoar com a luz que está no seu interior, para ser transmutada na base violeta embaixo dos seus pés.