Ativações no Templo da Lua - A Ativação

PUBLICADO EM: POR: Michaela

(Leia as primeiras partes aqui e aqui).

Não demorou muito e o barco atracou na Isla de La Luna. Quando eu desembarquei na ilha, algo muito louco aconteceu: parecia que eu estava pisando em um fio de alta tensão. A energia era muito, mas muito forte e todo o meu corpo tremia sem que eu pudesse controlar. Comprei um biscoito salgado em uma das barraquinhas das índas que vendiam na costa e subi para explorar as ruínas. Nós tínhamos 1 hora.

Não demorou muito para eu encontrar um lugar para me sentar. Todos os turistas estavam concentrados no templo principal, mas havia um local, uma ruína como um quarto ao lado, que me deu a impressão de ser um local de oração ou de alguma forma especial. Sentei em um monte de palha bem no meio e comecei a meditar. Não consegui ver muita coisa, só senti o tempo todo aquela energia muito forte passando pelo meu corpo, como uma corrente elétrica. Em um dado momento, vi que do meu corpo saíam tubos grossos na mesma energia que circulava em mim e estes tubos de energia dourada iam se encontrar com outras pessoas em outros lugares. Eu estava enviando energia para aquelas pessoas. Da mesma forma, vi que chegavam até mim muitos tubos similares de energia e eu sentia a energia de cada pessoa que vinha junto com a energia dourada, como assinaturas energéticas das pessoas com as quais eu estava me conectando, mas não consegui identificar a energia de ninguém especificamente. Fiquei me perguntando se eu já teria contrato para me conectar com aquelas pessoas especificamente (se o grupo certo de pessoas naquele determinado horário já estava previamente agendado) ou se seria a conexão ao acaso das pessoas que estavam no momento certo na localização correta para formar a grade de conexão.

Aquela grade de conexão que estávamos formando com os nossos corpos não era aleatória. Nós formávamos desenhos, mandalas de ativação, que ativavam não só códigos de luz no corpo de Gaia como também nos nossos próprios corpos. Recebi a informação de que nós não éramos o único grupo formando aquela grade energética com a mandala de ativação: muitos grupos e muitos símbolos estavam sendo formados e ativados por muitos trabalhadores da luz desde o dia 20 de setembro, à medida que iam se movimentando e de posicionando nos lugares corretos. Era como se Gaia se tornasse um grande tabuleiro e nós estivéssemos brincando de "escravos de Jó", formando vários desenhos entre nós, grupamento a grupamento.

Por fim, me vi em um espaço vazio de luz junto com as pessoas daquele grupo. Nós estávamos flutuando no vazio e dávamos as mãos. Dos nossos corpos, saí luz dourada que circulava entre nós, formando o desenho de um círculo de luz. Lembrei de uma música do Sagrado Feminino, que diz: "Somos um círculo dentro de um círculo..". Havia a todo momento muita energia entrando e saindo pelo topo da cabeça e pelo chackra básico, em duas vias.

Os minutos passaram mais rápido do que eu percebi e quando dei por mim o meu barco ia sair em 5 minutos. Desci correndo e segui viagem até a Isla del Sol, curiosa para saber o que aconteceria quando chegasse lá, porém ao desembarcar não senti nada. O meu trabalho era na Isla de La Luna.

Ao retornar para Copacabana, uma tempestade se formava, derrubou o wifi do hostal e fez chover forte e relampejar alto durante toda a noite. Amanheceu um tempo chuvoso e sem wifi no dia 23 e minha companheira de quarto saiu para usar a lavanderia. Eu voltaria para casa no dia seguinte e decidi ficar no quarto, embaixo dos cobertores, lendo um bom livro e comendo chocolate. Achei que o trabalho teria sido aquele do dia anterior na Isla de La Luna e que hoje não haveria mais nada além de descansar para encarar a viagem de volta, mas eu estava errada: ainda havia mais uma parte do trabalho a ser feita.

Às 13:55, horário local, comecei a sentir uma energia extremamente forte percorrer todo o meu corpo. Chegava a ser incômodo! Não consegui ficar deitada e saí do hostal, caminhando pela cidade, com um sentimento de ansiedade. Em um certo ponto da cidade, no meio do nada, senti que deveria sentar e tentar relaxar. Aconteceu muito parecido com o dia anterior: a mesma energia forte percorreu todo o meu corpo, e eu vi e senti as outras pessoas do grupo ao qual eu me conectava. Nós estávamos formando uma outra mandala de ativação. Via os tubos de energia saindo de mim e outros chegando até mim. Em nenhum dos dias consegui ter uma visão clara do desenho que formávamos ou da localização dos meus companheiros de grupo. Esta ativação durou cerca de 1 hora. Então, aí sim, senti que o trabalho havia terminado e eu iria retornar para casa.