A Montanha, O Rio e o Oceano

PUBLICADO EM: POR: Argam

Já fui Montanha.

Agora me lembro, foi antes do tempo ser tempo, e até mesmo a palavra ser falada.

Foi no tempo do Verbo.

Como montanha, ser era estar e eu estava sempre ali.

O fato de estar parado não me incomodava, pelo contrário era o de que mais gostava, pois podia sentir tudo ao meu redor: o sol, o vento, a chuva e as Energias.

As Energias do Orbe me adoravam, e eu à elas. Uma amizade e tanto nós tínhamos, elas me preenchiam vindo de mais alto do que eu, desciam até o mais profundo de meu Ser e depois se moviam para o resto do Planeta. 

Sentia que este era o meu papel, armazenar e passar essas Energias.

Mas então num novo momento, de bastante chuva percebi que esta também carregava as Energias e mais: corria junto com elas!

Meu coração palpitou com esta possibilidade, queria me movimentar também com estas energias, dançar com elas pelo mundo afora!

E então eu fui Rio.

No antigo corpo da montanha que já fui eu então Renasci.

"LIBERDADE! LIBERDADE!" Foram as primeiras palavras que bradei enquanto abria meu caminho pelo mundo com as águas e a Energia que vinha dos céus.

Eu agora dançava e minha dança tinha vários movimentos: corria forte pra baixo, pulava penhascos, parava em vales, diminuía meu passo, serpenteava por pedras, quando chegava a lugares quentes eu então subia aos céus até um ponto onde já quase não era nada de tão leve mas a minha dança continuava lá em cima e eu então caia de novo e seguia em frente. Nada me impedia! A Nada eu me apegava, mas permitia que todos usassem de minhas energias, sem distinção. E se alguém tentava me prender eu enchia os muros até contornar e seguir meu rumo.

Mas que rumo era este? Durante tanto tempo dancei que nem percebi que apesar de linda esta dança não tinha até então um fim.

Dançando em frente eu fui percebendo que meus movimentos mudavam e iam diminuindo, eu ia me acalmando e lentamente perdendo a vontade de ser o que era. E nesse momento me Abria e crescia.

Por fim Fui Oceano.

Crescia, me expandia e perdia toda a linda forma que um dia fui. Mas agora percebia que era toda a energia, era tudo.

Agora como Oceano eu estava em todos os lugares ao mesmo tempo. Estava parado, mas também me movia. Recebia as energias dos céus, a elas me integrava, passava a ser elas também.

Muitos Rios, irmãos meus que um dia também foram Montanhas chegavam até mim e então abraçávamos tão forte que passávamos a ser Um.

 

Agora como um humano, depois de muito tempo comecei a aprender e perceber que o tempo é apenas a soma das experiencias e por elas eu passeio; passado, presente e futuro.

Não fui Montanha, Sou Montanha, um Rio, um Oceano.